domingo, 16 de setembro de 2007

Person e São Paulo S/A




Esse foi mais um fim de semana de muito cinema para mim. Entre os filmes que eu assisti estão o " Person" e " São Paulo S/A". O primeiro é um documentário dirigido pela Marina Person sobre o seu pai, o cineasta Luiz Sérgio Person e o segundo é o principal filme dele.


***

Existem momentos propícios para se conhecer a obra de determinado diretor de cinema, de determinado escritor... A exibição de " Person" nos cinemas é um bom estímulo para, pelo menos, tentarmos entender o culto ao homenageado do documentário.

Se o documentário não é um primor, ao menos presta o grande serviço ao cinema brasileiro de jogar luzes a obra de Luiz Sérgio. Por que digo que o documentário não é um primor? É porque a Marina o dirigiu de uma maneira um tanto quanto conservadora ( lembre-se , é o seu primeiro documentário!), mas isso não é nenhum demérito, já que ela não se propôs a revolucionar o cinema e sim homenagear seu pai. E logrou grande êxito ao fazê-lo com grande afeto. Mostrou que, além de apresentar programas bobocas na MTV, ela sabe filmar e nos proporcionou um filme cheio de ternura sobre a morte, a lembrança e o recomeço.

E recomeço é também um dos temas de "São Paulo S/A". É a história de Carlos ( Walmor Chagas, excepcional!) , um jovem tentando subir na vida, tendo como pano de fundo uma São Paulo , dos anos 50 , que se desenvolvia rapidamente. São Paulo , aliás, é quase um personagem do filme.
Carlos, depois de algumas aventuras amorosas, deixa o Rio e se muda para São Paulo , que vivia a euforia da instalação da indústria automotiva. Esse é o primeiro recomeço. Inicia como funcionário da Volks e pouco tempo depois já era gerente de uma fábrica de auto-peças e casado com uma jovem burguesa "casadoira" Luciana ( Eva Wilma). Ou seja,torna-se um jovem bem-sucedido e convencional, mas pagou um alto preço por isso. Deixou de ser quem era, virou quem nunca sonhou ter sido. E decide tentar um novo recomeço.
Tudo isso é filmado de uma maneira singular e, absolutamente, inovadora. Depois de assistir esse filme entendi por que o Luiz Sergio Person é tão cultuado. Por essa descoberta, eu tenho que agradecer a Marina Person!
***
Assisti também " Profissão: repórter", do Antonioni, pois achei o momento oportuno para conhecer um pouco melhor a obra desse cineasta, devido a sua morte recente. Antes eu só tinha assistido seu filme mais famoso, " Blow up- depois daquele beijo" e tinha achado chatíssimo. Não entendia por que esse filme era sempre colocado entre os melhores de todos os tempos, em todas as listas.
Achei que assistindo outro filme do diretor eu iria desfazer minha má impressão, porém... Bom, quase não conseguia manter meus olhos abertos, quase morri de sono, apesar da bela atuação do Jack Nicholson.
Talvez assistir Antonioni seja como ler Guimarães Rosa, precisa ser feito no momento certo para que você absorva toda a sua genialidade... Talvez eu não esteja nesse momento...



1 comentários:

Ana disse...

Puts, concordo com a afirmação quanto ao grande Rosa... :P
Sobre cinema, sempre quis ver este São Paulo S/A, famosíssimo. Deu mais vontade agora!
Boas dicas...
Bjo
Ana
www.mineirasuai.blogspot.com