domingo, 23 de agosto de 2009

Desmistificando a gripe suína - parte 1

Tomei a decisão de escrever uma série de posts sobre a pandemia de gripe causada pelo Influenza H1N1 porque eu acho que as pessoas não estão sendo bem informadas acerca dela pela mídia brasileira. A cobertura tem sido, quase sempre, sensacionalista e desinformativa. A "nova" gripe não é nem sinal inequívoco da chegada do apocalipse nem uma conspiração para causar pânico nos habitantes da Terra e faturar em cima disso. Pensei então em convidar os leitores deste blog a conhecer o que a ciência tem a dizer sobre a famosa gripe suína. Vamos nessa?

Comecemos então conhecendo as principais características de uma pandemia por Influenza. São cinco:

1 - Mudança do subtipo do vírus
2 - Maiores taxas de mortalidade em pessoas jovens
3 - Ondas pandêmicas sucessivas
4 - Maior transmissibilidade que a gripe sazonal
5 -Impactos diferentes em diferentes regiões geográficas.

No século passado tivemos 3 Pandemias de Influenza: a de 1918-19 ( gripe espanhola), causada pelo A/H1N1; a de 1957-63, pelo A/H2N2; a de 1968-70, pelo A/H2N3. Todas elas apresentaram as características que citei acima, mas tiveram comportamentos bastante diferentes (falarei mais sobre isso na parte 2 dessa série)

Vamos nos ater um pouco no A/H1N1. Acredita-se que as aves são os reservatórios naturais desse subtipo de Influenza. Em 1918, esse vírus apareceu simultaneamente em humanos e porcos. Matou de 40 a 50 milhões de pessoas e uma balaiada de suínos. Esse vírus circulou até 1957, quando abruptamente desapareceu. Um novo vírus, que combinava genes do H1N1 de 1918 com outros originários do vírus de fonte aviária, surgiu, causou uma nova pandemia e, por motivos que não totalmente esclarecidos, tirou de circulação o vírus de 1918.

O A/H1N1, então, ficou sumido do mapa até 1976, quando aconteceu um caso muito,muito interessante. Houve um surto de gripe suína em janeiro desse ano na base militar de Fort Dix, em Nova Jersey. As autoridades determinaram que os homens ficassem ilhados na base militar até o fim do surto, o que fez com que o vírus não contaminasse civis. Esse vírus, no entanto, tinha uma taxa de transmissibilidade muito baixa, inferior à da gripe sazonal, portanto, provavelmente, ele não teria forçar para causar uma pandemia. Pelo sim, pelo não, o governo americano achou por bem iniciar uma vacinação em massa da sua população, que resultou em 532 casos de síndrome de Guillain-Barré e 32 mortes.

Apesar do sucesso na contenção do vírus de Fort Dix, o danado reapareceu em novembro de 1977, na União Soviética, em Hong Kong e na China, muito provavelmente em decorrência de um acidente de laboratório. O vírus que causa a atual pandemia é uma recombinação de genes desse vírus eurasiano com de vírus de origem suína.

Nós vimos aqui como se comportou o vírus H1N1 ao longo da história, desde 1918. Quando eu tiver tempo - e disposição -, pretendo escrever as outras partes dessa série que se chamará "desmistificando a gripe suína" ( eu acho que a melhor maneira de desmistificar alguma coisa é a conhecendo). Na próxima parte, falarei um pouco mais das pandemias causadas pelo vírus Influenza no século passado.

*** As principais fontes que usei para fazer esse post foram estes 3 belos artigos publicados na New England Journal of Medicine e este outro, do British Journal of Medicine.

2 comentários:

emerson disse...

Ola, ótimo e informativo post.

Achei que este post (e na verdade todo o blog) possa lhe interessar:

Próximo passo no pânico da gripe suína: Microchips Implantáveis para Detectar bio-ameaças" Uma empresa com sede na Flórida, a VeriChip, que se vangloria por comercializar o primeiro microchip RFID implantável em seres humanos e aprovado pelo governo dos EUA, está agora voltando sua unidade de pesquisas para "preparação de emergências", esperando produzir um implante que possa automaticamente detectar na corrente sanguínea do hospedeiro a presença do vírus da gripe suína ou outros vírus considerados como "bio-ameaça". http://www.anovaordemmundial.com/2009/08/proximo-passo-no-panico-da-gripe-suina.html

Hell Back disse...

Mas e a ciência não encontrou alguma vacina para esses tipos de vírus? Com a rainha das ciências, a tão propalada engenharia genética, não poderiam encontrar uma vacina genérica definitiva?